Pedido de Marcação

Data Pretendida

* O pedido de marcação terá de ser confirmado pelo secretariado do CENC. Após a recepção, analisaremos a disponibilidade e enviaremos confirmação ou proposta de nova data.

Equipa

Dra. Teresa Eliseu (Medicina Interna do Idoso)
Profª. Dra. Teresa Paiva (Alterações do sono no idoso; Problemas neurológicos e cognitivos)
Dra. Cristiana Silva (Problemas neurológicos e cognitivos)
Dra. Luísa Branco (Hipertensão e problemas cardíacos)
Dra. Ana Galrinho (Hipertensão e problemas cardíacos)
Dra. Ana Santa Clara (Alterações psiquiátricas)
Profª. Dra. Amélia Feliciano (Dificuldades respiratórias)
Dr. Richard Staats (Dificuldades respiratórias)
Dra. Joana Pimentel (Dificuldades respiratórias)
Dr. Aníbal Eliseu (Alterações de equilíbrio e de audição)
Dra. Joana Vaz Castro (Alterações de equilíbrio e de audição)
Profª. Dra. Helena Rebelo Pinto (Psicologia e estilos de vida)
Profª. Dra. Carolina Maruta (Memória e funções nervosas superiores)
Dra. Vera Ramos (Exercício)
Dr. Filipe Videira (Postura e movimentos)
Dra. Mariana Chaves (Alimentação)
Dra. Manuela Magno (Coaching)

 

VER EQUIPA

Acordos

Os acordos dependem dos médicos ou das actividades praticadas

GERIATRIA E ENVELHECIMENTO

Em todas as fases da vida há necessidades especiais de saúde, mas depois dos 60 anos mais ainda.

Nessa fase, há grandes diferenças entre os indivíduos que estão perfeitamente activos e autossuficientes e aqueles que, por doenças várias, precisam de cuidados de terceiros e sofrem graves alterações motoras ou cognitivas.

A Geriatria tem de ser capaz de lidar com esta variabilidade de situações e com as características próprias das 3ª e 4º idades, tanto em termos da medicina clínica, como em termos psicológicos e de condições de bem-estar. Por isso mesmo é uma consulta necessariamente multidisciplinar.

Genericamente, neste grupo etário há maior probabilidade de quedas, cancro, doenças cardiovasculares, alterações de memória ou cognitivas, dificuldades motoras, entre outras complicações de saúde.

Mas as alterações somáticas do envelhecimento não são necessariamente uma desgraça. Devido à sua longa experiência de vida e por terem sobrevivido a muitas mudanças - culturais, sociais, tecnológicas, económicas, políticas e ambientais - as pessoas de idade avançada desenvolveram uma capacidade acrescida de sobreviver.